O Que é Controle Estatístico do Processo?

O controle estatístico do processo (CEP) é um tipo de ferramenta desenvolvida por Walter Shewhart no começo do século XX, focada especialmente nas indústrias. Na década de 1960, essa análise se tornou ainda mais popular porque começou a ser aplicada no ciclo PDCA.

Antes da criação do CEP, a qualidade do produto só era analisada no momento da saída. Porém, o especialista observou que era necessário verificar todo o processo para melhorar a produção e entregar resultados mais satisfatórios.

Como funciona o controle estatístico de processo?

Basicamente, o controle estatístico de processo trata-se de um estudo voltado a identificar as saídas que não estão de acordo com o planejado. Ou seja, se o objetivo de uma empresa de logística é entregar produtos seguros no prazo, essa é a saída desejada. Já a entrada consiste no controle de estoque e outras etapas iniciais.

Ao fazer o controle, a raiz do problema pode ser extinguida e o fluxo normalizado.

Para isso, esse tipo de ferramenta analisa dois tipos de variações que podem haver no processo:

  • comuns: aleatórias e inevitáveis que, portanto, não podem ser previstas e eliminadas. Exemplo: enchentes e greves de caminhoneiros;
  • especiais: ocorrem quando o sistema apresenta desvios fora dos limites e que são consequência de falhas identificáveis. Exemplo: não dispor de estoque suficiente para atender o cliente.

Vantagens do controle estatístico

Se uma empresa possui apenas variações comuns, significa que a sua entrega é estável e previsível. Porém, isso só pode ser alcançado se houver um controle dos processos.

Quando essa análise existe, a empresa também consegue diminuir desperdícios de tempo e de matéria-prima, promovendo a melhoria contínua em todas as fases de produção. Nas indústrias, o uso do controle estatístico de processo também evita que haja variabilidade, ou seja, que o mesmo fluxo de trabalho gere produtos divergentes.

A partir da análise de saída do processo e de tudo o que o envolve (desde temperatura até taxa de rotatividade de profissionais), é possível estabelecer quais ações deverão ser feitas. Em alguns casos, pode ser necessário mudar as operações ou alguns elementos do sistema, como o equipamento utilizado ou o layout da fábrica, no caso da indústria.

Como usar o controle estatístico

Uma forma de aplicar o controle estatístico de processos é por meio do PDCA, um método que consiste em planejar, fazer, checar e agir (Plan, Do, Check and Act). Assim, será possível organizar as principais questões, como: o que será medido, o que pode influenciar nos resultados e quais informações são mais importantes.

Depois de saber quais dados serão levantados, é necessário escolher um profissional apto para coletar as informações. Também é preciso escolher o software e gráfico que será usado para a análise dos resultados obtidos.

Quer saber mais sobre o controle de processos e como otimizar a produção da sua empresa? Continue acompanhando os artigos da Lecom!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.