Oportunidades Para o BPM na Indústria 4.0

Com foco em uma produção mais direta, enxuta e com menos desperdícios, o segmento industrial vê cada vez mais a necessidade de ter fluxos mais definidos, que fujam do tradicional chão de fábrica, para garantir os objetivos e o aumento na produtividade. Isso abre espaço para entrada do BPM na Indústria 4.0.

Unido a esses pontos, está também a busca por sistemas digitais mais integrados de organização e execução dos processos, que compactuam com as principais ideias impostas pelo novo modo de produção. Entenda mais sobre o assunto neste artigo!

BPM na Indústria 4.0 — como funciona para o setor?

A transformação digital é um dos principais tópicos da quarta revolução industrial. Fazer com que o modo clássico de produção seja otimizado pelos conceitos modernos, principalmente a IoT (Internet das Coisas), é uma das principais missões das fábricas que buscam, hoje, adequar-se às novas diretrizes.

A automação ganha uma enorme importância dentro dessas ideias, e essa é uma das razões pelas quais é possível notar a força do BPM na Indústria 4.0. Ainda mais quando integrado com metodologias ágeis de produção e desenvolvimento — conceito em alta em diversos segmentos industriais.

Veja abaixo como o BPM pode ser fundamental para o novo modelo de indústria:

Controle e rastreabilidade dos processos produtivos

O controle total dos processos de uma indústria é algo de extrema importância. Uma pequena falha na linha de produção e, em certos casos, milhares de produtos poderão sair com defeito. Por isso, uma das premissas da Indústria 4.0, inclusive, é a solução imediata de problemas.

Tendo em mãos as ferramentas de um sistema de BPM, é mais simples rastrear e controlar esses fluxos, auxiliando e permitindo tomadas de decisão mais rápidas para sanar problemas durante a produção.

Um diagrama de processos também pode ajudar muito nisso, pois assim você poderá ter mais noção de quais são as principais falhas e os gargalos em cada processo, com base na cadeia produtiva modelada.

Dessa maneira, também é mais palpável a relação entre as máquinas e os operários, visto que haverá uma clareza maior em como os processos se unem, e onde entra o trabalho de cada frente dessas.

Integração e captação de dados

Outra das premissas para qual pode-se usar o BPM na Indústria 4.0 é a captação de dados. O Big Data é uma tendência da quarta revolução industrial, e todo o processo de automação do setor envolve a obtenção e o uso correto e efetivo dessas informações.

Na hora de montar o layout do chão de fábrica são inseridos sensores que podem medir desde a temperatura de um metal até o formato de uma peça de plástico, e eles são conectados a um CLP (Controlador Lógico Programável) que, por sua vez, conecta-se ao sistema geral da indústria — ao qual um BPMS pode ser integrado.

Por meio dos dados obtidos, é possível ter uma ideia de como a indústria está operando e aliá-los às melhorias necessárias nos processos, para aumentar a produtividade e gerar metas mais assertivas baseadas em informações consistentes.

Para mais artigos sobre gerenciamento de processos, BPM e otimização, confira o blog da Lecom!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.